Assassinato na favela do Jacarezinho

Execução na favela do Jacarezinho

Aliélson Nogueira, 21 anos, foi assassinado em atuação truculenta da UPP do Jacarezinho.

Na noite de 4 de abril de 2013, por volta de 21hrs na localidade conhecida como Beira do Rio, na favela do Jacarezinho, policiais fortemente armados não conseguiam conter uma confusão com moradores do Pontilhão e perderam o controle da situação que resultou na morte de Aliélson Nogueira, 21 anos, atingido por um tiro na nuca, enquanto comia um cachorro quente.

Após truculenta ação de policiais que revistavam possíveis suspeitos com o trafico de drogas na favela, moradores se rebelaram contra os policiais – como de costume em favelas ocupadas pelas forças policiais – Bombas de gás lacrimogênio, spray de pimenta, tiros de bala de borracha e de fuzil foram feitos contra os moradores, que revidaram jogando tijolos, pedras e paus.

Do outro lado da rua, pessoas que nada tinham a ver com a confusão, tomavam cerveja, crianças brincavam e jovens ouviam música na porta de casa – como de costume em qualquer lugar. Entre as pessoas que se divertiam estava o jovem Aliélson Nogueira, de 21 anos, conhecido como Lourão, que era trabalhador de uma oficina de reciclagem dentro da própria favela.
Perfil no Facebook – https://www.facebook.com/alielson.nogueria?fref=ts
Segundo um morador que não quis se identificar e que estava ao lado de Aliélson na hora da confusão, os dois estavam bebendo cerveja em um bar em que Aliélson havia comprado um cachorro quente, ao ouvir os tiros, os moradores  correram para se esconder dos disparos, nesse momento, um policial o executou de maneira fria e calculada. O jovem morreu com um tiro pelas costas, acertado na nuca. Os moradores afirmam ter visto toda a crueldade do policial e contaram que o mesmo costuma circular pela favela sem farda e sem nenhuma identificação, portando um fuzil, impondo o terror nas madrugadas, com palavras agressivas e Fascistas.·.

O suposto policial, de nome André, é um ex-morador da favela expulso por traficantes na época e estaria no local pra fazer vingança. Denuncias foram feitas para a Corregedoria de policia do RJ, Ministério público, Comissão de direitos Humanos e veículos de comunicação corporativos e independentes, porém, nada foi resolvido.

Seis meses depois da entrada da policia “pacificadora” na favela do Jacarezinho, pouca coisa mudou. A ocupação se deu no mês de Outubro de 2012, com ela, vieram as antenas de TV Claro e Sky, diversos policiais despreparados, assim como a troca de caçambas de lixo insalubres por caçambas muito pequenas  que não dão vazão aos moradores e a troca da iluminação foi feita somente nas entradas da favela.

Foto: Léo Lima

Foto: Léo Lima

A associação dos moradores trabalha para que os serviços fundamentais como água, luz, saúde, educação e coleta de lixo cheguem à favela de fato, e que sejam serviços de qualidade e não de assistencialismo. Os ativistas e movimentos sociais atuam na busca pela valorização da cultura local, o debate sobre segurança pública, o reconhecimento de espaços ociosos para possíveis equipamentos socioculturais a serem realizados, assim como a busca por um debate amplo sobre as UPPs na favela, sobre os usuários de drogas do local, o passado, presente e o futuro dessa ação policial e não social.

Foto: Léo Lima

Foto: Léo Lima

A indignação é geral na favela do Jacarezinho, porém, nós moradores não podemos nos calar diante das arbitrariedades do estado que nos encurrala e nos oprime. Precisamos ser inteligentes, propor as prioridades e assumir a favela como agentes produtores da mudança, é preciso se reunir e criar. Se conseguirmos nos organizar, conseguiremos governar no mínimo a favela onde vivemos, sem que tiremos a responsabilidade do estado, claro.

Foto: Léo Lima

Foto: Léo Lima

Estamos de Luto!
Chega de mortes e arbitrariedades por parte dos policiais.
Os bandidos e corruptos precisam ser expulsos da corporação, deverão ser julgados e o caso de Aliélson não poderá ficar impune.

Foto: Léo Lima

Foto: Léo Lima

Texto e Fotos: Léo Lima
Vídeo: A Nova Democracia
Revisado por: Ana Paula Lisboa

Sobre Coletivo Favela em Foco

A história Tudo começou no ano de 2007 na favela do Jacarezinho, depois de jovens da comunidade experimentarem uma oficina de fotografia dada por Fabio Caffé e Rovenna Rosa, fotógrafos da agência fotográfica Imagens do Povo, do Observatório de Favelas. Oficina essa que fez despertar o olhar dos jovens, e assim decidiram se reunir para criar uma mídia alternativa. Documentando o dia a dia da favela do Jacarezinho, no conceito de cultura/arte e a falta delas. O projeto era financiado pelo Cenpec e o Itaú Social, nos quais disponibilizavam verba para a condução do projeto. O projeto era feito na Ong Saúde e Cidadania, na favela do Jacarezinho. Onde os jovens criavam pautas, com a intenção de criar uma revista, que seria distribuída sem custo algum aos moradores do Jacarezinho, e as comunidades próximas, além dos colégios, ongs, empresas próximas. O projeto foi batizado de “Jacarezinho em Foco” e foi criado justamente para levar informação verdadeira de um cotidiano de vida muito pouco explorado. E que essa informação fosse distribuída por outros meios de comunicação (vídeos, blogs, sites de relacionamento). Com a proposta real de mudar o estereotipo que ainda se tem da favela, e que os temas abordados nas pautas sejam vistos com mais sensibilidade. Mostrando para quem quiser ver que na favela existe sim, gente que faz e acontece, tem suas dificuldades como em qualquer outro lugar, mas vive com harmonia e felicidade no local onde nasceu, cresceu, que vive onde vive por opção, e não por necessidade. Eram 6 pautas abordadas, cada qual com sua peculariedade de informação. Os jovens se organizavam para ir nas casas das pessoas, e assim se familiarizando com os moradores da comunidade. Sendo que, depois de 2 meses de projeto e 1 edição criada, o projeto infelizmente não teve continuidade. Já que os financiadores não permaneceram devido a cláusulas no contrato onde se dizia que o financiamento só seria feito no inicio do projeto, e que logo em seguida deveria ser tocado sozinho. Ou seja um auto sustentamento no qual não foi pensado na criação do projeto. Assim sem verba, alguns do jovens do Jacarezinho disperçaram um pouco, outros por necessidade precisaram sair para arrumar emprego. Infelizmente não foi dado continuidade, mas os jovens que permaneceram focados no que queriam, não desistiram. E no ano de 2009 os poucos jovens que ainda sonhavam com o projeto, se inscreveram na escola de fotógrafos populares por intermédio do antigo e até então professor e fotógrafo Fábio Caffé. Assim foi se reascendendo a chama mais uma vez pela fotografia. Assim, sabendo da dificuldade de divulgação do até então “Jacarezinho em Foco”. O professor Fábio Caffé deu uma forcinha, e informou a revista Viração, lá de São Paulo sobre o trabalho que tais jovens haviam feito. Logo depois de 1 mês depois da conversa... surgiu o interesse da redação da revista de divulgar uma galeria de fotos dessa galera na edição. Bem, feito isso os jovens começaram a criar esperanças mais acessas novamente. E, começaram a se reunir junto com outros integrantes da escola, inclusive fotógrafos formados da própria escola, para dar continuidade no projeto. Enquanto os jovens começavam a se reunir para o que de verdade gostariam de fazer... Alguns exemplares foram enviados e apresentados aos alunos da escola de fotógrafos populares, em sala de aula. Foi ae que a emoção tomou conta de todos, e de principalmente dos jovens participantes do “Jacarezinho em Foco” era uma parte do sonho sendo realizado. O que serviu de estímulo para a galera, e depois de algumas reuniões foi criado o até então, Coletivo Multimídia Favela em Foco.
Esse post foi publicado em Favela em Foco. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Assassinato na favela do Jacarezinho

  1. Patricia Patrocio disse:

    Até quando??? perderemos vidas????como a de Alielson um rapaz de 21 anos trabalhador diplomas de cursos estudioso q corria atras com sonhos não podemos dormir + com nossos filhos neste mundo nesta sociedade de merda q vivemos dia fatidico dia triste para todos……q o Senhor nos guarde e guarde nossos filhos e a todos q amamos e q ñ amamos tambem…..BANDO DE LIXO EXTORQUE,MATA GENTE INOCENTE ………..USAM PODER DE ARMA PARA TIRAR VIDAS INOCENTES…..ISTO É O SISTEMA….DE PORCOS FARDADOS TEM Q TIRAR SÃO OS BANDIDOS DA RUAS Ñ MATAR TRABALAHDOR ,………..USAM PODER DE ARMA PARA TIRAR VIDAS INOCENTES…INDIGNADA + UMA FAMILIA AMIGOS DESESPERADOS QUE SOFREM DE DOR=>ISTO É O SISTEMA LANÇO O DESAFIO TIRE DAS RUAS(($ MARGINAIS FARDADOS E OS MARGINAS DELINQUENTES CIVIS$)) E DEIXEM OS INOCENTES E TRABALHADORES VIVOS=> Eu hoje não sei nem por onde começar….DIREITOS HUMANOS SÓ PROTEGEM VAGABUNDOS MAIS UM INUTIL PORCO FARDADO MATA UM TRABALHADOR=> Se a segurança publica fosse algo realmente levado a sério nesse país….Por que NÃO AUMENTAR a pena para quem mata pessoas INOCENTES =>Quem está com mais direitos do que deveria SER PRESERVADOS é JUSTAMENTE o CRIMINOSO e e a POLICIA….
    O que eu estou sentindo é uma mistura de dor pelo que aconteceu hontem meu DEUS cm vamos parar cm essa violencia q mata ate os iNocentes ,e oq mas doi é saber q QUEM DISPAROU IRÁ FICARÁ IMPUNI POIS Ñ É UM FILHO DE UM ADVOGADO DE UM ARTISTA DO GOVERNADOR E DE UM POLICIA JUSTIÇA ????É PARA QUEM TEM DINHEIRO POBRE TRABALHADOR SE FODE.MEU AMIGO PESSOA DE BEM CORAÇAO SÓ AMOR Q DEUS O TENHA EM BOM LUGAR POIS VC MERECE…..

  2. Regyna Medeiros disse:

    Infelizmente esses policiais fazem mtas besteiras para naum escrever outra coiiisa…. Tb tive um filho cruelmente assassinado.
    Se meu filho estava errado… a obrigação desses canalhas era somente leva-lo preso + naum foi isso q fizeram… eles o mataram fria e covardemente.
    Qm são eles para julgarem alguém… são piores e naum tem essa moral.
    Mataram meu filho com 3 tiros a queima roupa… tds por trás… queria ver eles fazerem isso mano a mano… Vai completar 5 anos que mataram o meu filho e me roubaram o direito de viver… o que me matem de pé o presente q Deus nos enviou logo após a morte deles… o meu netinho que me sustenta com a presença alegre e feliz e o lindo sorriso de criança.
    Sabe… parece q isso aconteceu a 5 segundo atrás… vivo esse momento intensamente… a falta do meu amado filho.

  3. Pingback: Assassinato na favela do Jacarezinho (RJ) | Pela Moradia

  4. MOISES JOSE disse:

    COMUNIDADE DO JACARÉ. QUERIA VER ISSO NA ÉPOCA DO MEIO QUILO…

  5. Pingback: Assassinato na favela do Jacarezinho, no Rio | Gazeta de Notícias

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s