Desalojo na ocupação ladeira do Russel

Na segunda-feira dia 17 de maio à tarde, de maneira informal e sem nenhuma ordem burocrática os moradores da ocupação ladeira do Russel n° 45 e 51 receberam uma noticia nada agradável. Seriam desalojados em quatro dias.

Seu Rossi mostra o IPTU de 2010 pago

Perdidos com a noticia, eles entram em contato com a defensoria publica e esta estabeleceu contato com um juiz ele mostrou-se irredutível na sua decisão, os moradores tentaram conversar com o magistrado, mas o mesmo se negou a recebê-los. A decisão já estava tomada e tudo acertado com a proprietária, Sra Elvira de Jesus, que por anos recebia o aluguel, contas de luz e água, porém não fazia o pagamento aos órgãos que forneciam esses serviços e assim colocava todos os moradores da ocupação em risco.

Moradoras se abraçam e choram ao falar do desalojo

A associação de moradores do Outeiro da Glória se posicionou a favor da remoção das famílias e em auxilio ofereceu caminhões da COMLURB para transportarem seus pertences.

 Seu Fernando um dos moradores diz: “Aqui no 51 somos 24 moradores, estamos bem organizados e regularizando as dívidas que nos colocaram, o IPTU, a taxa de incêndio, estamos reformando o espaço, colocamos um portão, fizemos uma nova caixa de luz, a água que é o problema, dona Elvira nos colocou uma dívida de 15 mil reais”. Antes de ir para o número 51, Fernando morava em um quartinho no lugar onde trabalha e provavelmente retornará, pois não tem condição de manter um aluguel.

Entrada do casarão 51

Seu Rossi, outro morador do 51 diz: Eles vieram de supetão, era para a gente nem saber de nada, um susto”. Dona Loira afirma: “Saiu uma notificação no Diário Oficial, mas quem da população lê esse jornal? Não deram nem um prazo para podermos nos retirar. O juiz não quis nem saber”! Ela completa “aqui não tem boca de fumo, não tem criminoso, só trabalhadores, pessoas de bem, por que estão agindo dessa forma quando entramos o lugar estava vazio, desocupado e nós entramos, precisamos de moradia”.

 Os dois espaços foram vendidos e os moradores especularam que o Hotel Glória visava à área para transformar o local em albergues, inclusive o nome do bilionário Eike Batista foi citado como um dos possíveis compradores do local.

 Alguns dos moradores deixarão a ocupação nessa quarta-feira para não presenciarem o desalojo na quinta.

Interior de uma das casas no 45

Revitalização da zona portuária, Incêndio na Central do Brasil, Morro do Bumba, desalojo no Anil, desalojo na ladeira do Russel, UPPs, Olimpíadas, Copa do mundo? Qualquer semelhança é mera coincidência ou é sacanagem mesmo?  

“Que direitos tem o pobre”?

“Pobre não tem direito.” (Sr. Joaquim, morador do número 45)

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Clique aqui e veja a galeria

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Anúncios

Sobre Coletivo Favela em Foco

A história Tudo começou no ano de 2007 na favela do Jacarezinho, depois de jovens da comunidade experimentarem uma oficina de fotografia dada por Fabio Caffé e Rovenna Rosa, fotógrafos da agência fotográfica Imagens do Povo, do Observatório de Favelas. Oficina essa que fez despertar o olhar dos jovens, e assim decidiram se reunir para criar uma mídia alternativa. Documentando o dia a dia da favela do Jacarezinho, no conceito de cultura/arte e a falta delas. O projeto era financiado pelo Cenpec e o Itaú Social, nos quais disponibilizavam verba para a condução do projeto. O projeto era feito na Ong Saúde e Cidadania, na favela do Jacarezinho. Onde os jovens criavam pautas, com a intenção de criar uma revista, que seria distribuída sem custo algum aos moradores do Jacarezinho, e as comunidades próximas, além dos colégios, ongs, empresas próximas. O projeto foi batizado de “Jacarezinho em Foco” e foi criado justamente para levar informação verdadeira de um cotidiano de vida muito pouco explorado. E que essa informação fosse distribuída por outros meios de comunicação (vídeos, blogs, sites de relacionamento). Com a proposta real de mudar o estereotipo que ainda se tem da favela, e que os temas abordados nas pautas sejam vistos com mais sensibilidade. Mostrando para quem quiser ver que na favela existe sim, gente que faz e acontece, tem suas dificuldades como em qualquer outro lugar, mas vive com harmonia e felicidade no local onde nasceu, cresceu, que vive onde vive por opção, e não por necessidade. Eram 6 pautas abordadas, cada qual com sua peculariedade de informação. Os jovens se organizavam para ir nas casas das pessoas, e assim se familiarizando com os moradores da comunidade. Sendo que, depois de 2 meses de projeto e 1 edição criada, o projeto infelizmente não teve continuidade. Já que os financiadores não permaneceram devido a cláusulas no contrato onde se dizia que o financiamento só seria feito no inicio do projeto, e que logo em seguida deveria ser tocado sozinho. Ou seja um auto sustentamento no qual não foi pensado na criação do projeto. Assim sem verba, alguns do jovens do Jacarezinho disperçaram um pouco, outros por necessidade precisaram sair para arrumar emprego. Infelizmente não foi dado continuidade, mas os jovens que permaneceram focados no que queriam, não desistiram. E no ano de 2009 os poucos jovens que ainda sonhavam com o projeto, se inscreveram na escola de fotógrafos populares por intermédio do antigo e até então professor e fotógrafo Fábio Caffé. Assim foi se reascendendo a chama mais uma vez pela fotografia. Assim, sabendo da dificuldade de divulgação do até então “Jacarezinho em Foco”. O professor Fábio Caffé deu uma forcinha, e informou a revista Viração, lá de São Paulo sobre o trabalho que tais jovens haviam feito. Logo depois de 1 mês depois da conversa... surgiu o interesse da redação da revista de divulgar uma galeria de fotos dessa galera na edição. Bem, feito isso os jovens começaram a criar esperanças mais acessas novamente. E, começaram a se reunir junto com outros integrantes da escola, inclusive fotógrafos formados da própria escola, para dar continuidade no projeto. Enquanto os jovens começavam a se reunir para o que de verdade gostariam de fazer... Alguns exemplares foram enviados e apresentados aos alunos da escola de fotógrafos populares, em sala de aula. Foi ae que a emoção tomou conta de todos, e de principalmente dos jovens participantes do “Jacarezinho em Foco” era uma parte do sonho sendo realizado. O que serviu de estímulo para a galera, e depois de algumas reuniões foi criado o até então, Coletivo Multimídia Favela em Foco.
Esse post foi publicado em Favela em Foco. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Desalojo na ocupação ladeira do Russel

  1. telma maria lins quitete disse:

    gostaria de ver as foto dos cassarão da ladeira do russel 51 45

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s