Descendentes de quilombos.

 

No ultimo sábado o fotografo Naldinho Lourenço foi em dois quilombos localizados nos municípios de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia e nos brinda com um relato sobre essa experiência.

Maria Eduarda 10 anos e sua Bisavó Dona Lola

Os atuais moradores desta comunidade são descendentes dos escravos da antiga Fazenda Campos Novos, sesmaria jesuítica que remonta ao século XVII. Localizada em São Pedro da Aldeia, nos limites entre esse município e Cabo Frio, o grupo é constituído de famílias que mantém entre si fortes laços de parentesco.

Seu Walter José, 75 anos

Desde a década de 50 os habitantes dessa área enfrentam violentos conflitos fundiários com sucessivos pretensos proprietários daquelas terras. Desde então, seus moradores criaram diferentes formas de defesa de suas terras que resultaram na criação de uma Associação de Moradores e de um Sindicato de Trabalhadores Rurais, o primeiro da região, ainda na década de 50. A partir dos primeiros anos da década de 60, os moradores iniciaram diversas tentativas de regularização fundiária através de processos judiciais individuais e coletivos e reivindicações junto aos órgãos oficiais como IBRA e SEAF, INCRA e ITERJ. Todas as reivindicações do grupo eram pela implementação do usucapião a cada uma daquelas famílias individualmente e a única resposta que obtiveram foi uma decisão da justiça de 1966 que lhes garantia a manutenção de suas posses.

Seu Glicério (Cabulé), 83 anos e Dona Lola ao fundo

Desta data até os dias atuais, muitas famílias de outros municípios e estados chegaram à área e o seu número total hoje chega a pouco mais de 200 famílias, segundo levantamento da Secretaria de Saúde do município.

Em 1983, após intensos conflitos fundiários e batalhas judiciais entre fazendeiros e posseiros, o INCRA desapropria 3.203 hectares de terras situadas em Cabo frio para fins de reforma agrária, mas o decreto de desapropriação não incluiu a Fazenda da Caveira. Em 1999, a FCP reconhece essa área como comunidade remanescente de quilombos, dividindo essas famílias que se encontram distribuídas nos dois municípios em assentamentos quilombolas.

Dona Eva com seus 100 anos de idade, vive desde quando nasceu no Distrito de Búzios no Quilombo Rasa, este nome é por causa da Praia Rasa onde eram desembarcados os escravos. Dali eram levados para  Fazendo de Campos Novos.

Dona Eva 100 anos

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Clique e veja galeria com mais fotos

Anúncios

Sobre Coletivo Favela em Foco

A história Tudo começou no ano de 2007 na favela do Jacarezinho, depois de jovens da comunidade experimentarem uma oficina de fotografia dada por Fabio Caffé e Rovenna Rosa, fotógrafos da agência fotográfica Imagens do Povo, do Observatório de Favelas. Oficina essa que fez despertar o olhar dos jovens, e assim decidiram se reunir para criar uma mídia alternativa. Documentando o dia a dia da favela do Jacarezinho, no conceito de cultura/arte e a falta delas. O projeto era financiado pelo Cenpec e o Itaú Social, nos quais disponibilizavam verba para a condução do projeto. O projeto era feito na Ong Saúde e Cidadania, na favela do Jacarezinho. Onde os jovens criavam pautas, com a intenção de criar uma revista, que seria distribuída sem custo algum aos moradores do Jacarezinho, e as comunidades próximas, além dos colégios, ongs, empresas próximas. O projeto foi batizado de “Jacarezinho em Foco” e foi criado justamente para levar informação verdadeira de um cotidiano de vida muito pouco explorado. E que essa informação fosse distribuída por outros meios de comunicação (vídeos, blogs, sites de relacionamento). Com a proposta real de mudar o estereotipo que ainda se tem da favela, e que os temas abordados nas pautas sejam vistos com mais sensibilidade. Mostrando para quem quiser ver que na favela existe sim, gente que faz e acontece, tem suas dificuldades como em qualquer outro lugar, mas vive com harmonia e felicidade no local onde nasceu, cresceu, que vive onde vive por opção, e não por necessidade. Eram 6 pautas abordadas, cada qual com sua peculariedade de informação. Os jovens se organizavam para ir nas casas das pessoas, e assim se familiarizando com os moradores da comunidade. Sendo que, depois de 2 meses de projeto e 1 edição criada, o projeto infelizmente não teve continuidade. Já que os financiadores não permaneceram devido a cláusulas no contrato onde se dizia que o financiamento só seria feito no inicio do projeto, e que logo em seguida deveria ser tocado sozinho. Ou seja um auto sustentamento no qual não foi pensado na criação do projeto. Assim sem verba, alguns do jovens do Jacarezinho disperçaram um pouco, outros por necessidade precisaram sair para arrumar emprego. Infelizmente não foi dado continuidade, mas os jovens que permaneceram focados no que queriam, não desistiram. E no ano de 2009 os poucos jovens que ainda sonhavam com o projeto, se inscreveram na escola de fotógrafos populares por intermédio do antigo e até então professor e fotógrafo Fábio Caffé. Assim foi se reascendendo a chama mais uma vez pela fotografia. Assim, sabendo da dificuldade de divulgação do até então “Jacarezinho em Foco”. O professor Fábio Caffé deu uma forcinha, e informou a revista Viração, lá de São Paulo sobre o trabalho que tais jovens haviam feito. Logo depois de 1 mês depois da conversa... surgiu o interesse da redação da revista de divulgar uma galeria de fotos dessa galera na edição. Bem, feito isso os jovens começaram a criar esperanças mais acessas novamente. E, começaram a se reunir junto com outros integrantes da escola, inclusive fotógrafos formados da própria escola, para dar continuidade no projeto. Enquanto os jovens começavam a se reunir para o que de verdade gostariam de fazer... Alguns exemplares foram enviados e apresentados aos alunos da escola de fotógrafos populares, em sala de aula. Foi ae que a emoção tomou conta de todos, e de principalmente dos jovens participantes do “Jacarezinho em Foco” era uma parte do sonho sendo realizado. O que serviu de estímulo para a galera, e depois de algumas reuniões foi criado o até então, Coletivo Multimídia Favela em Foco.
Esse post foi publicado em Favela em Foco. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Descendentes de quilombos.

  1. Léo Mineiroooooo disse:

    Boooaaa documentação e belíssimas fotos do mano Naldinhooo !

  2. Thiago Carminati disse:

    Tá muito bonito mesmo!!! Só fotão. Parabéns!!!

  3. Juliete Neira disse:

    Parabéns, Naldinho, pelas fotos e excelente abordagem.Represento o Programa de Educação Previdenciária na Região dos Lagos (PEP/INSS) e tenho muito interesse em atingir este público, levando a informação previdenciária até eles. Quando puder, faça contato, OK!Meu cel. é 22-98414050. Abraços, Juliete

  4. MARIA disse:

    E eu a menina q aparece no site

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s