Moradores de favelas se reúnem no Morro dos Prazeres e falam sobre remoções

Mais de 400 moradores de favelas se reúnem no Morro dos Prazeres para falar sobre remoções

texto: Gizele Martins e Ana Lucia Vaz

fotos: Ratão Diniz/Favela em Foco

“A Defesa Civil interditou a minha casa na semana passada, e agora eu quero saber o que vão resolver. Estou muito preocupada, até mesmo porque não entendo nada disso!”, dizia a dona de casa Edna Maria de Oliveira, de 50 anos, na reunião realizada no feriado de Tiradentes, dia 21 de abril, no Morro dos Prazeres. Mais de 400 pessoas assim como dona Edna estiveram presentes. E o que se percebia em cada fala e em cada rosto era a dúvida do que se tratava tudo aquilo. Muitos nem tinham ideia do que significavam as palavras “remoção” e “indenização”, temas do encontro.

O pedreiro Raimundo Rodrigues, de 42 anos, morador da Rua Torre Branca, no Rio Comprido, também foi à reunião para compartilhar a experiência de ser mais um desabrigado e querer conhecer mais as leis, na tentativa de permanecer no seu local de moradia. “Assim como os moradores daqui receberam esse laudo para saírem de suas casas o mais rápido possível, eu também recebi no dia 6 de abril. Interditaram a minha casa e prometeram levar a gente para alguns prédios que vão construir no centro do Rio. Mas eu não quero ir para o centro. Próximo de onde eu moro tem outros locais para construírem as casas. Ainda disseram que enquanto não levarem a gente para lá, vão pagar um tal de aluguel social”, disse o pedreiro.

Maria Pereira, de 59 anos, costureira autônoma e também moradora do Rio Comprido, ressaltou que a remoção tanto do Morro dos Prazeres quanto de outras favelas ocorre por causa dos interesses imobiliários. “Eles estão querendo é fazer hotéis, eles querem preparar a cidade para a chegada da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Lá onde eu moro tem uma vista linda, minha querida. Eles não me enganam não!”, desabafou.

Tragédias no Rio servem de desculpa para remoções forçadas

A reunião, coordenada pela Associação de Moradores do Morro dos Prazeres, foi realizada pela necessidade de esclarecer os direitos de cada pessoa. “A gente precisa explicar a real situação para a própria favela. Tem pessoas que nem sabem o que é remoção. Além disso, temos que unir nossas forças com outras favelas. Somos a maioria”, afirmou Fabio Neves, de 32 anos. Fabio disse ainda que a Defensoria Pública garantiu que a casa que ele mora não está em situação de risco.  “A Defensoria trouxe engenheiros para visitarem as casas (no Morro dos Prazeres). Algumas delas estão com problemas sim, mas muitas não, como a minha por exemplo. E ela foi interditada”. contou indignado.

Segundo Carmem Givoni, coordenadora da Associação Equilíbrio Sustentável, localizada no Morro dos Prazeres, a posição do Prefeito Eduardo Paes (PMDB/RJ) não é aceitável. “O que o prefeito está fazendo é fora da lei. Ele quer colocar no chão o que essas pessoas ficaram anos construindo. Estas pessoas conseguiram o que elas têm hoje com muito esforço, já que nunca tiveram direitos algum. Essa idéia de remoção já é antiga”, disse Carmen. Para ela, os governantes já queriam antes tomar essas medidas, desde que souberam que o Rio sediaria a Copa e as Olimpíadas. “Ele aproveitou essa tragédia para reforçar seu pensamento. O mais cruel é que antes que essas pessoas enterrassem seus mortos, ele já trouxe uma outra tempestade, a de expulsar essas famílias de seus lugares de habitação. E a mídia, apenas reforça isso”, observou.

O Padre Luiz Antonio, da Pastoral das Favelas, concorda com Carmem. Para ele, o que se deve fazer é investir em habitação e não tirar essas pessoas de forma forçada de seus locais de moradia, onde elas juntas construíram suas histórias. “Moradia é um direito sagrado. Queremos casa sim, mas está na lei que essas pessoas precisam ser consultadas sobre isso. Elas precisam aprovar a remoção, é preciso ter acordos. Se essas pessoas não têm o direito de ficar nestes locais, é preciso perguntar por que elas têm que sair. E essa resposta deve ser baseada na lei. Nela está escrito sim que se as casas estiverem ameaçadas, as pessoas têm que ser colocadas em lugares mais próximos de onde moravam, e não jogar em um lugar onde ela não quer ir e talvez nunca pisou”, disse.

Ao final do encontro, fui procurar Dona Edna novamente. Lá estava ela com o marido e a irmã, com quem divide a casa. Perguntei o que ela achou da reunião. “O que entendi minha filha é que ninguém pode tirar a gente da nossa casa de uma hora para outra não. Só se ela estiver rachada ou caindo. Cada caso é um caso. Não podem mesmo! O que pretendo fazer agora é ir mais nessas reuniões para saber mais sobre tudo isso. Minha casa é pequena, mas foi o que eu construí né! O que eu acho é que eles têm que dar moradia para quem realmente precisa, e tem muita gente precisando. Se tiver que remover mesmo todo mundo, que eles deixem a gente próximo do nosso lugarzinho”.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Clique aqui e veja mais fotos

Anúncios

Sobre Coletivo Favela em Foco

A história Tudo começou no ano de 2007 na favela do Jacarezinho, depois de jovens da comunidade experimentarem uma oficina de fotografia dada por Fabio Caffé e Rovenna Rosa, fotógrafos da agência fotográfica Imagens do Povo, do Observatório de Favelas. Oficina essa que fez despertar o olhar dos jovens, e assim decidiram se reunir para criar uma mídia alternativa. Documentando o dia a dia da favela do Jacarezinho, no conceito de cultura/arte e a falta delas. O projeto era financiado pelo Cenpec e o Itaú Social, nos quais disponibilizavam verba para a condução do projeto. O projeto era feito na Ong Saúde e Cidadania, na favela do Jacarezinho. Onde os jovens criavam pautas, com a intenção de criar uma revista, que seria distribuída sem custo algum aos moradores do Jacarezinho, e as comunidades próximas, além dos colégios, ongs, empresas próximas. O projeto foi batizado de “Jacarezinho em Foco” e foi criado justamente para levar informação verdadeira de um cotidiano de vida muito pouco explorado. E que essa informação fosse distribuída por outros meios de comunicação (vídeos, blogs, sites de relacionamento). Com a proposta real de mudar o estereotipo que ainda se tem da favela, e que os temas abordados nas pautas sejam vistos com mais sensibilidade. Mostrando para quem quiser ver que na favela existe sim, gente que faz e acontece, tem suas dificuldades como em qualquer outro lugar, mas vive com harmonia e felicidade no local onde nasceu, cresceu, que vive onde vive por opção, e não por necessidade. Eram 6 pautas abordadas, cada qual com sua peculariedade de informação. Os jovens se organizavam para ir nas casas das pessoas, e assim se familiarizando com os moradores da comunidade. Sendo que, depois de 2 meses de projeto e 1 edição criada, o projeto infelizmente não teve continuidade. Já que os financiadores não permaneceram devido a cláusulas no contrato onde se dizia que o financiamento só seria feito no inicio do projeto, e que logo em seguida deveria ser tocado sozinho. Ou seja um auto sustentamento no qual não foi pensado na criação do projeto. Assim sem verba, alguns do jovens do Jacarezinho disperçaram um pouco, outros por necessidade precisaram sair para arrumar emprego. Infelizmente não foi dado continuidade, mas os jovens que permaneceram focados no que queriam, não desistiram. E no ano de 2009 os poucos jovens que ainda sonhavam com o projeto, se inscreveram na escola de fotógrafos populares por intermédio do antigo e até então professor e fotógrafo Fábio Caffé. Assim foi se reascendendo a chama mais uma vez pela fotografia. Assim, sabendo da dificuldade de divulgação do até então “Jacarezinho em Foco”. O professor Fábio Caffé deu uma forcinha, e informou a revista Viração, lá de São Paulo sobre o trabalho que tais jovens haviam feito. Logo depois de 1 mês depois da conversa... surgiu o interesse da redação da revista de divulgar uma galeria de fotos dessa galera na edição. Bem, feito isso os jovens começaram a criar esperanças mais acessas novamente. E, começaram a se reunir junto com outros integrantes da escola, inclusive fotógrafos formados da própria escola, para dar continuidade no projeto. Enquanto os jovens começavam a se reunir para o que de verdade gostariam de fazer... Alguns exemplares foram enviados e apresentados aos alunos da escola de fotógrafos populares, em sala de aula. Foi ae que a emoção tomou conta de todos, e de principalmente dos jovens participantes do “Jacarezinho em Foco” era uma parte do sonho sendo realizado. O que serviu de estímulo para a galera, e depois de algumas reuniões foi criado o até então, Coletivo Multimídia Favela em Foco.
Esse post foi publicado em Favela em Foco. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Moradores de favelas se reúnem no Morro dos Prazeres e falam sobre remoções

  1. Carmen Givoni disse:

    Cara Gizele, Parabéns pela sua matéria sobre o Morro dos Prazeres, e felicito as belas fotos do Ratão, porém gostaria só de fazer uma pequena correção eu sou uma das coordenadoras da Equilibrio Sustentável, e o que eu tentei passar-lhe foi o que eu escutei na reunião de 3ªf passada na Pastoral das Fevelas. Obrigada! Abraços,
    Carmen

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s